Educação em Ciências e PC

Venho, desta vez, destacar 2 eventos, para os quais se convidam todos, e uma investigação sobre Pensamento Crítico, neste caso no Ensino Superior.

Os dois eventos são:

  1. Apresentação amanhã – dia 21 de outubro de 2015  na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, do estudo “Multimédia no Ensino das Ciências”, que compila a investigação feita nos 5 últimos anos nesta área, debatendo as suas potencialidades e fragilidades: faz-se bom uso da tecnologia para ensinar Ciências? Tal como está no site da Fundação Francisco Manuel dos Santos o debate vai contar com os autores João Paiva e Carla Morais (Universidade do Porto) e comentários de Rui M. Vieira (Universidade de Aveiro). Já li o estudo e considero que, além do interesse para todos os que fazem investigação e formação nesta área, será um contributo para a discussão e reflexão sobre o papel das TIC na educação em geral e das Ciências, em particular.
  2. A 6ª Tertúlia “Pensar Educação” com a Professora Isabel P. Martins, que decorrerá de hoje a uma semana – dia 27 de outubro pelas 19h30min – com o título: “Professores, Educação e Sociedade – Dilemas ou desafios?”. Será mais uma oportunidade para ouvir e debater todo um conhecimento e experiência que importa muito considerar para o presente e um futuro sustentado em saber fundamentado! Atenção que é necessária inscrição (consultar site da tertúlia) e estamos limitados ao número de lugares do Restaurante Giz onde decorrerá esta tertúlia.

 

      No que se refere ao Pensamento Crítico remete-se para um estudo que se realizou em 38 Universidades públicas e 28 privadas norte-americanas sobre a ênfase que dão a este tipo de pensamento. O mesmo está sintetizado em:

http://www.criticalthinking.org/pages/study-of-38-public-universities-and-28-private-universities-to-determine-faculty-emphasis-on-critical-thinking-in-instruction/598

    e, pese embora ter já sido realizada a alguns anos e ser de uma realidade algo diferente da nossa, destaco retirando das conclusões:
    “Critical thinking is clearly an honorific phrase in the minds of most teacher educators such that they feel obliged to claim both familiarity with it and commitment to it in their teaching, despite the fact that few have had any in-depth exposure to the research on the concept and most have only a vague understanding of what it is and what is involved in bringing it successfully into instruction.”
    “Critical thinking is commonly confused with active involvement in learning (forgetting that active involvement alone is quite compatible with active “mislearning”).”
    “Even faculty in the CSU, which has a formal policy on critical thinking instruction, are apparently largely unfamiliar with the “definition of critical thinking” and specifications of what minimal conditions for instruction in it are inherent in the policy.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *