Paradoxos

Vivemos vários paradoxos, neste momento, a nível europeu e nacional.

Por exemplo, em um momento que que ficamos a saber que “Portugal foi o país que mais cresceu no peso dos licenciados nas áreas das ciências” (ver notícia em: http://www.publico.pt/Educa%C3%A7%C3%A3o/portugal-e-o-pais-europeu-com-maior-aumento-de-licenciados-nas-areas-de-ciencias-1573096) também verificamos que o número destes que imigrou aumentou consideravelmente (cf os dados definitivos acabados de divulgar dos Censos 2011 em: http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_publicacao_det&contexto=pu&PUBLICACOESpub_boui=
73212469&PUBLICACOESmodo=2&selTab=tab1&pcensos=61969554) e o  Eurostat mostra que milhares de portugueses no estrangeiro estão a tornar-se cidadãos dos países de destino.

Ou talvez tal resulte do futuro coletivo que estamos a construir!
Afinal o que é a cidadania? E o que é, ou qual é, a nossa pátria?
Espero que, para todos mas especialmente para estes últimos cidadãos, a Língua Portuguesa continua a ser a sua Pátria, como era para Fernando Pessoa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *