Actas do Seminário CTS

Agora que foram disponibilizadas on-line não posso deixar passar a oportunidade de divulgar o site da Universidade de Aveiro (http://www.dte.ua.pt/PageText.aspx?id=7503) onde se podem encontrar as actas e as conclusões do:

V Seminário Ibérico / I Seminário Ibero-americano

Ciência-Tecnologia-Sociedade no Ensino das Ciências
Educação Científica e Desenvolvimento Sustentável

 Nas actas encontram-se os textos das várias conferências, comunicações convidadas, painéis, oficinas práticas e Posters que, como já escrevi em um artigo anterior deste blog, se realizou em Julho de 2008 na Universidade de Aveiro. São uma mostra bem interessante da diversidade desta comunidade de investigadores, professores, formadores de professores e interessados nas interacções Ciência-Tecnologia-Sociedade. Por exemplo, o texto da conferência de abertura sobre:

Riscos de insustentabilidade. Quais os caminhos para um desenvolvimento sustentável? de Filipe Duarte Santos

além do interesse global de que se reveste possui muita da informação científica e técnica usada no livro O Sétimo Selo de José Rodrigues dos Santos publicado em 2007; este romance centra-se em torno das questões do aquecimento global e na sua relação com o petróleo como fonte de energia.

Boas leituras!

Finlandeses

wsj3.jpg

Em uma das edições deste ano do The Wall Street Journal (foto da página web da sua Classroom Edition, a qual pode ser consultada em http://classroomedition.com/cre/) surgia um título em forma de questão: “O que torna os jovens finlandeses tão inteligentes?”

Entre outros factores a jornalista autora da peça destacava dois factores para o êxito educacional daquele país: professores competentes e crianças responsáveis. Escrevia mesmo que estes eram o ponto de partida para o sucesso escolar.

Além disso e para nossa reflexão saliento outros tantos aspectos, relatados na notícia, característicos daquele sistema:

-Raramente têm mais de meia hora de trabalhos de casa;

-Não usam uniformes;

-Não há punições por atrasos nem programas especiais para alunos brilhantes;

-Praticamente não existem exames padronizados;

-Os alunos com excelente aproveitamento ajudam  os que têm maiores dificuldades sem prejudicarem o seu próprio progresso;

-Proibição do uso de telemóveis, iPods ou chapéus;

-Incentivo à leitura — os pais de recém-nascidos recebem um pacote-presente de livros do governo.

Resta, neste breve artigo, explicitar que o título da notícia tem a ver com o facto do/as adolescentes Finlandeses terem tido os melhores índices de aproveitamento nos testes do PISA, como o de Ciências, entre os 57 países participantes. Neste ranking Portugal ocupa a 37ª posição.