Autoridade nas Escolas

Escrevi neste blog, por duas vezes sendo a última no passado dia 31 de Outubro, sobre a indisciplina nas escolas. Neste último post afirmava:

Não será preciso ser visionário para perceber que se não forem tomadas medidas a situação tenderá a agravar-se e só será incluída ou considerada na agenda política quando existirem situações de enorme gravidade (e que sejam divulgadas publicamente)!”.  

Agora que aconteceram (casos do aluno de Mirandela e de um Professor de Sintra que alegadamente se suicidaram por “agressões” variadas e continuadas) estão já agendados na Assembleia da República “debates de urgência” para a próxima 6ª feira.
Espero que a retórica dê lugar a medidas efectivas como as que volto a sistematizar:

 – Mudar os estatutos, como o do aluno e os regulamentos das escolas / agrupamentos, por forma a que os incumpridores (sejam alunos, pais, professores, …) não continuem impunes.

– Proporcionar (talvez até antes de lhes dar o Rendimento de Reinserção Social) aos pais formação sobre o seu papel e competências parentais e responsabilizá-los depois por actos continuados de indisciplina ou delinquência dentro das escolas.

– Formação de Professores para nova(s): visões do currículo, de estratégias de ensino / aprendizagem, de recursos com destaque para as TIC, de bases e acções na gestão de conflitos, de propostas para so alunos poderem  superar as suas dificuldades de aprendizagem, …

-Criar comissões mistas (Professores, alunos, …) de acompanhamento e prevenção destes casos.

BIBLIOTECA DIGITAL MUNDIAL DA UNESCO [BDMU]

A UNESCO disponibiliza, em Português, em www.wdl.org uma biblioteca digital que reúne mapas, textos, fotos, gravações e filmes de todos os tempos e explica, em mais seis idiomas, toda a riqueza cultural de todas as bibliotecas do planeta.
A BDMU não oferecerá documentos correntes, a não ser “com valor de património, que permitirão apreciar e conhecer melhor as culturas do mundo em idiomas diferentes: árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português. Mas há documentos em linha em mais de 50 idiomas”, como salientou Abid, responsável por este projecto. Este concretizou que,  entre os documentos mais antigos, há alguns códices pré-colombianos, graças à contribuição do México e os primeiros mapas da América, desenhados por Diego Gutiérrez para o rei de Espanha em 1562.
Cada documento da cultura universal aparece acompanhada de uma breve explicação do seu conteúdo e seu significado.
A biblioteca começa com 1200 documentos, mas foi pensada para receber um número quase ilimitado de textos, mapas, fotografias e ilustrações. A BDMU permite ao internauta orientar a sua busca por épocas, zonas geográficas, tipo de documento e instituição.
Duas regiões do mundo estão particularmente bem representadas: América Latina e Médio Oriente. Isso deve-se à activa participação da Biblioteca Nacional do Brasil, a biblioteca Alexandrina do Egipto e a Universidade Rei Abdulá da Arábia Saudita.
Segundo informações disponibilizadas pela comunicação social, a estrutura da BDMU segue os mesmos princípios do projecto de digitalização da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, que começou em 1991 e actualmente contém 11 milhões de documentos online.
Boas leituras e pesquisas!

boston.JPG