Arquivo de etiquetas: Educação

Competências para o futuro

São vários os documentos e iniciativas recentes que têm vindo a destacar as competências para o futuro, entre os quais se salientam:

Salienta-se nestes a importância crescente e explícita ao pensamento crítico.  São boas notícias para impelir a que passe à ação!

InfoFuturoTrabalho

Encontros Científicos

Divulga-se aqui e apela-se à participação em dois Encontros:

  • XVII ENEC 2017 | I SIEC: Educação em Ciências em múltiplos contextos, que se realiza nos dias 14, 15 e 16 de setembro de 2017 na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo . Estes será antecedido pela II Escola de Doutoramento ENEC mantendo os objetivos de criar um espaço para partilhar e discutir projetos de investigação em curso.  Poderá encontrar informação mais detalhada no site do encontro http://www.ipvc.pt/xviienec2017.

  • O outro que aqui se divulga é o II Encontro Nacional de Jovens Investigadores em Educação que se realizará na Universidade do Minho entre 2 e 3 de Junho: http://www.enjie.pt/# . A data limite para submissão de propostas é 6 de março (NORMAS DE SUBMISSÃO em: http://www.enjie.pt/docs/normas.pdf)

 

III Seminário de Pensamento Crítico

Faz-se a primeira divulgação do 

III Seminário de Pensamento Crítico na Educação

que se realizará de 11 a 13 de outubro de 2017 na 

Universidade de caldas, na Colômbia.

Anexo aqui a 1ª circular (COMUNICACIÓN CIRCULAR, Tercer Seminario de Pensamiento Crítico_PREVIEW (1)).

Logo que disponível divulgarei o site. Por agora fica o e-mail: 

iiiseminario.pensamientocritico@ucaldas.edu.co 

3 em 1

Nas últimas semanas tivemos a divulgação de 3 resultados comparativos na Educação.  Já aqui se abordou cada um deles, mas agora e dada a oportunidade será “3 em 1” (os dois primeiros em:  http://iave.pt/np4/310.html):

Sobre cada um tem existido um conjunto variado de artigos de opinião em jornais e na blogosfera com ênfase em diferentes questões e “aproveitamentos político-partidários”  como se ilustram com os seguintes títulos (para aceder à notícia ou opinião completa clicar em cima do título):

De toda esta informação destaco 3 ideias:

  • Há uma melhoria clara dos resultados dos alunos Portugueses, com destaque para a Matemática; esta tem sido crescente e, no PISA, é caso único entre os países participantes.
  • Esta melhoria resulta de um conjunto de medidas políticas, com destaque para os Programas de Formação de Professores do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico (CEB) a Matemática, Ciências e Português, entre 2005 e 2010, que influenciaram, muito provavelmente os resultados do PISA e Rankings. Mas,  tendo em conta que estas questões são complexas e multi-dimensionais, considero que o fator determinante para esta melhoria do sucesso escolar dos alunos nestas provas e comparações foi o profissionalismo dos Professores.
  • Se não forem tomadas medidas urgentes estes resultados dificilmente continuarão a melhorar, como já evidenciam os resultados dos alunos do 4.º ano de escolaridade a Ciências no TIMSS. Uma delas prende-se com uma revisão profunda do programa de Estudo do Meio do 1.º CEB, do início dos anos 90, que deve ser (re)visto em articulação com os programas e metas das Ciências Naturais do 2.º e 3.º CEB (sobre os quais na altura da sua discussão aqui deixamos a nossa discordância – “Parecer e Novas Metas de Ciências” (http://blogs.ua.pt/ctspc/archives/848).

Boas festas e com um ano de 2017 com êxito educativo para todos.

Revista CTS nº33

Acaba de ser lançado o último número (33) da Revista Ibero Americana de Ciencia, Tecnologia y Sociedad. Pode ser consultada e os artigos descarregados em: http://www.revistacts.net/volumen-11-numero-33

Conta, entre outros, com os seguintes artigos que destaco:

“Cinco Orientações para o Ensino das Ciências: a Dimensão CTS no Cruzamento da Didática e de Políticas Educativas Internacionais” | Alcina Mendes e Isabel P. Martins;

“Educação em Ciências e Matemática com Orientação CTS Promotora do Pensamento Crítico” | Celina Tenreiro-Vieira e Rui Marques Vieira;

“Práticas Integradas de Educação em Ciências: um Programa de Formação Contínua para Professores com Cariz CTS” | Ana V. Rodrigues e Patrícia João;

Boas leituras e comentários.

Captura de ecrã 2016-09-28, às 11.45.58

Reptos

Depois das férias e com o início de mais um ano letivo foi-me solicitado um artigo breve sobre a educação para o Diário de Aveiro. O tempo foi escasso e por isso retomei algumas das ideias que tenho vindo a defender para a Educação, nomeadamente em Portugal.

O mesmo foi publicado no dia 15 de setembro e também no site da Universidade de Aveiro (em: http://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?c=47628&lg=pt). Agradeço todos os comentários e partilhas, especialmente no Facebook (https://www.facebook.com/ruimv).

Mas desejo muito que o futuro comece já a ser pensado, discutido e preparado. Por isso sou dos que pensam que tal é possível com um pacto educativo.

Diversos(idades)

Neste artigo venho divulgar um conjunto diverso de iniciativas e informações:

JustinoMagalhães-1

Competências do Século XXI

Em um blog também focado no Pensamento Crítico venho desta vez salientar a importância deste tipo de pensamento e de outros como a Criatividade, como competências fundamentais para uma cidadania plena no século XXI.

Este facto tem sido destacado em diversos contextos, especialmente por empresas e organizações. São exemplos destas os vários sites que proliferam na rede web como os seguintes:

Captura de ecrã 2016-02-02, às 16.35.00

 

Frase da semana

A propósito dos exames, que no 4º e 6º anos foram entretanto substituídos pelo novo governo Português por provas de aferição, Ana Benavente escreve no público de 20 de janeiro de 2016  sob o título “Exames para que te quero” as frases seguintes que aqui se destacam :

“Para mim, a questão é simples: os exames são um mecanismo criado no interior do sistema que revela uma concepção de escola. Dum lado, a Educação para Todos com valorização do trabalho dos professores e procura de caminhos para assegurar aprendizagens exigentes face aos desafios do presente e do futuro e, do outro, a escola que conhecemos no passado, que exclui quem vem dos meios sociais mais pobres e das culturas “não eruditas”, uma escola de competição, de stress e de individualismo em que só a memória – auxiliar precioso – faz as vezes de inteligência” (p. 44).

FotoAnaBenavente

Livros e Mudanças

A diversidade de publicações  e de mudanças que têm ocorrido no campo da educação, que este governo e a assembleia da república têm avançado em Portugal, têm sido prolixas. Várias destas merecem alguns juízos de valor que irei encetar, de forma mais ponderada e reflexiva, nos próximos tempos.

Neste momento destaco os seguintes livros que estão disponíveis também nos sites que se incluem:

Das mudanças na política de educação que se avizinham assinalo aqui:

  • Fim dos exames do 4º ano;
  • Novo Modelos de graduação e colocação de Professores;
  • Exames de aferição, provavelmente para o 4º e 6ª anos;
  • Possível prova ou exame de literacia Científica no ensino básico, como hoje defendeu o Presidente do CNE;
  • Mais que provável suspensão das Metas Curriculares, desde já no 1.º Ciclo.

Boas leituras e que as decisões políticas desta vez sejam mesmo sustentadas na investigação que se vai realizando na educação!

200 mil e bom 2016

Serve este último artigo de 2015 para agradecer aos já mais de 200 mil visitantes deste blogue nos últimos 7 anos. Tem sido interessante acompanhar as leituras e proveniências dos que acompanham as questões de educação que aqui brevemente se destacam! Mas faltam mais comentários dos leitores de qualidade e partilhas de outras iniciativas, perspetivas e publicações.

Talvez com mais provocações se tenham mais reações! Vamos ver…

Aproveito também esta quadra para desejar boas festas e um ano de 2016 com mais e melhor educação para todo/as.

Para apoiar a tomada de decisão e se poder participar de modo mais esclarecido, sobre as questões educativas e outras, aproveito para divulgar o Relatório do Desenvolvimento Humano 2014 em Português (http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr2014_pt_web.pdf)

bem como o de 2015 em Castelhano (http://hdr.undp.org/sites/default/files/2015_human_development_report_overview_-_es.pdf).

Capa do Relatório do PNUD de 2015
Capa do Relatório do PNUD de 2015

Perspetivas Diferentes

Serve este artigo para destacar diferentes iniciativas de âmbito educacional e que relevam perspetivas diferentes:

  • Teaching Day 2015 na UA que se realizou hoje e cujo programa teve uma grande diversidade de iniciativas interessantes, sendo algumas ligadas às temáticas desta página (Programa em: http://www.ua.pt/teachingday/page/20473?ref=ID0ECCA);
  • Próxima Tertúlia “Pensar Educação” no dia 10 de dezembro de 2015 no Departamento de Educação da UA com a Prof. Ana Benavente com o título: “A Educação para todos”: Que escola temos? que escola queremos?” (cartaz como foto no final deste post). Mais informação e inscrição para participação em: http://tertuliapensareduca.blogspot.pt/
  • 1º Encontro Internacional de Formação na Docência, que se vai realizar no IP de Bragança no dia 4 e 5 de março de 2016; toda a informação sobre evento pode ser consultada em: http://incte.ipb.pt/ .

CARTA _TERTULIA_AnaBenavente_2015

Estado da Educação

Desta vez venho destacar alguns dados divulgados na publicação denominada de  “Estado da Educação 2014” do Conselho Nacional de Educação, acabado de publicar em Portugal:

  • “Apesar dos progressos já verificados, existe ainda um longo caminho a percorrer no combate ao insucesso, dado que nenhum país consegue atingir qualidade nas aprendizagens se não conseguir reduzir o número de alunos que não desenvolvem competências básicas. ” (p. 23)
  • “Redução do número total de estabelecimentos do ensino público para cerca de metade (12 312 para 6 575) entre 2005 e 2014. No mesmo período, o ensino privado registou um aumento de 9,4%, com mais 239 estabelecimentos.” (p. 53)
  • “A área de Tecnologias é a que apresenta maior oferta de cursos de formação inicial (353), no conjunto das instituições públicas e privadas, enquanto Agricultura e Recursos Naturais é a que apresenta menor oferta (48 cursos).” (p. 53)
  • “Mantém-se a tendência de envelhecimento da população. A proporção de jovens é inferior à de idosos e a maior percentagem de indivíduos situa-se entre os 35 e 54 anos (30%). Esta tendência verifica-se em todos os países da UE28 entre 2005 e 2014.” (p. 136)
  • “Em 2014, a maioria (80%) dos candidatos ao ensino superior, oriundos de distritos que têm apenas institutos politécnicos (Viseu, Portalegre, Viana do Castelo, Beja, Santarém e Guarda), opta por se candidatar a instituições de outros distritos. Em Lisboa, Coimbra, Porto e Braga mais de 50% dos estudantes candidataram-se a instituições do seu distrito.” (p. 137)
  • “Entre 2005 e 2014, registou-se um decréscimo de 5,6% do número total de bolseiros do ensino superior.” (p. 137)
  • “Envelhecimento progressivo do corpo docente de todos os níveis e graus de educação e ensino, com o aumento do número de docentes com mais de 40 anos e um número residual dos que têm idade inferior a 30 anos.” (p. 169)
  • “A taxa de retenção e desistência no 1º CEB mantém a tendência de crescimento, embora de forma muito pouco acentuada. Por outro lado, nos 2º e 3º CEB verifica-se a partir de 2010/2011 uma redução desta taxa. No ensino secundário, verifica-se uma tendência de diminuição das taxas de retenção e desistência desde 2011/2012. ” (p. 212)
  • “Em 2013, Portugal encontrava-se 10 pp abaixo da meta da estratégia “Europa 2020”, que aponta para uma percentagem de 40% da população, na faixa etária dos 30-34 anos, com diploma de ensino superior.” (p. 213)

Não descurando as melhorias e progressos verificados evidencia-se que os problemas, lacunas e deficiências, como os acima e na maioria das áreas, podem ser invertidas com adequadas decisões políticas!