Arquivo de etiquetas: Educação

“Porque melhoraram os resultados PISA em Portugal?”

O livro com o título deste post publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e que está disponível em: https://www.ffms.pt/FileDownload/342a960e-c01c-4309-8fa5-6e5a391204af/porque-melhoraram-os-resultados-pisa-em-portugal apresenta um estudo longitudinal e comparado dos resultados dos alunos entre 2000 e 2015 possui dados que merecem destaque e reflexão. Nesta publicação salienta-se transcrevendo:

  • Ao longo dos 15 anos do PISA “….os resultados médios de Portugal têm vindo consistentemente a melhorar nos três domínios considerados [Matemática, Leitura e Ciências], aproximando-se dos scores médios da OCDE” (p. 13).
  • “Além de ser uma medida ineficaz a resolver o insucesso dos alunos que repetem, como já foi identificado por vários autores, acresce esta ser uma medida que aumenta as desigualdades no sistema educativo, uma vez que a probabilidade de um aluno repetir o ano está fortemente associada ao seu estatuto socioeconómico e cultural, sendo os alunos de meios mais desfavorecidos os que têm maior probabilidade de chumbar” (p. 22).
  • “O nível de escolaridade dos pais está relacionado com melhores desempenhos dos alunos, mas apenas quando combinado com profissões mais qualificadas e mais bem remuneradas” (p. 27).
  • “Relativamente ao ambiente na sala de aula, cerca de 30% dos alunos respondentes ao questionário PISA consideram que há indisciplina e barulho na sala de aula, …”; mas também  “Portugal é o país onde consistentemente os alunos mais reconhecem o trabalho e disponibilidade dos professores” (p. 33).
  • “Relativamente às carências e à visão que têm da direção das escolas, os professores portugueses consideram que há falta de auxiliares de educação e que os diretores são líderes pouco inspiradores. No que se refere à cooperação entre colegas, verifica-se que a prática de cooperação menos comum é a observação de aulas lecionadas por outros professores” (p. 36).
  •  “Portugal foi o país que mais investiu no aumento do número de horas de ensino da Matemática. Esta tendência não se verificou nos restantes países europeus, onde a prática corrente foi manter o número de horas desta disciplina. Também no que respeita à quantidade de horas que os jovens passam a fazer trabalhos para a escola fora do horário escolar, os alunos portugueses despendem 14 horas por semana, em média, em trabalho escolar extra” (p. 41).
  • “Importa também referir que os diretores portugueses são os que menos se socorrem da investigação e conhecimento comprovado por outros nas suas práticas de gestão escolar. A cultura de olhar para a educação como uma ciência ainda não chegou às escolas” (p. 45).

Educação e Sustentabilidade

Rio de Janeiro, agosto de 2017

Serve este para divulgar:

  • O portal Educação em Exame que foi disponibilizado na semana passada em Portugal pela Fundação Francisco Manuel dos Santos em parceria com o Conselho Nacional de Educação e o Jornal Expresso e que pretende apresentar uma visão comparada e evolutiva sobre o sistema educativo em Portugal;
  • Um novo artigo publicado sobre as questões da Educação para a Sustentabilidade, neste caso no Ensino Superior, de título “Education for sustainable development: an exploratory study in a Portuguese University”, publicado no International Journal of Sustainability in Higher Education (ISSN: 1467-6370).
    Boas pesquisas e leituras.

Escola diferente?

De regresso de férias são vários os assuntos e informações que foram surgindo desde o final do ano letivo passado. Entre esses destaco os que me parecem mais relevantes e que considero irão ocupar a discussão em torno de questões educativas nos próximos tempos:

Bom ano letivo e boas reflexões!

Competências para o futuro

São vários os documentos e iniciativas recentes que têm vindo a destacar as competências para o futuro, entre os quais se salientam:

Salienta-se nestes a importância crescente e explícita ao pensamento crítico.  São boas notícias para impelir a que passe à ação!

InfoFuturoTrabalho

Encontros Científicos

Divulga-se aqui e apela-se à participação em dois Encontros:

  • XVII ENEC 2017 | I SIEC: Educação em Ciências em múltiplos contextos, que se realiza nos dias 14, 15 e 16 de setembro de 2017 na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo . Estes será antecedido pela II Escola de Doutoramento ENEC mantendo os objetivos de criar um espaço para partilhar e discutir projetos de investigação em curso.  Poderá encontrar informação mais detalhada no site do encontro http://www.ipvc.pt/xviienec2017.

  • O outro que aqui se divulga é o II Encontro Nacional de Jovens Investigadores em Educação que se realizará na Universidade do Minho entre 2 e 3 de Junho: http://www.enjie.pt/# . A data limite para submissão de propostas é 6 de março (NORMAS DE SUBMISSÃO em: http://www.enjie.pt/docs/normas.pdf)

 

III Seminário de Pensamento Crítico

Faz-se a primeira divulgação do 

III Seminário de Pensamento Crítico na Educação

que se realizará de 11 a 13 de outubro de 2017 na 

Universidade de caldas, na Colômbia.

Anexo aqui a 1ª circular (COMUNICACIÓN CIRCULAR, Tercer Seminario de Pensamiento Crítico_PREVIEW (1)).

Logo que disponível divulgarei o site. Por agora fica o e-mail: 

iiiseminario.pensamientocritico@ucaldas.edu.co 

3 em 1

Nas últimas semanas tivemos a divulgação de 3 resultados comparativos na Educação.  Já aqui se abordou cada um deles, mas agora e dada a oportunidade será “3 em 1” (os dois primeiros em:  http://iave.pt/np4/310.html):

Sobre cada um tem existido um conjunto variado de artigos de opinião em jornais e na blogosfera com ênfase em diferentes questões e “aproveitamentos político-partidários”  como se ilustram com os seguintes títulos (para aceder à notícia ou opinião completa clicar em cima do título):

De toda esta informação destaco 3 ideias:

  • Há uma melhoria clara dos resultados dos alunos Portugueses, com destaque para a Matemática; esta tem sido crescente e, no PISA, é caso único entre os países participantes.
  • Esta melhoria resulta de um conjunto de medidas políticas, com destaque para os Programas de Formação de Professores do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico (CEB) a Matemática, Ciências e Português, entre 2005 e 2010, que influenciaram, muito provavelmente os resultados do PISA e Rankings. Mas,  tendo em conta que estas questões são complexas e multi-dimensionais, considero que o fator determinante para esta melhoria do sucesso escolar dos alunos nestas provas e comparações foi o profissionalismo dos Professores.
  • Se não forem tomadas medidas urgentes estes resultados dificilmente continuarão a melhorar, como já evidenciam os resultados dos alunos do 4.º ano de escolaridade a Ciências no TIMSS. Uma delas prende-se com uma revisão profunda do programa de Estudo do Meio do 1.º CEB, do início dos anos 90, que deve ser (re)visto em articulação com os programas e metas das Ciências Naturais do 2.º e 3.º CEB (sobre os quais na altura da sua discussão aqui deixamos a nossa discordância – “Parecer e Novas Metas de Ciências” (http://blogs.ua.pt/ctspc/archives/848).

Boas festas e com um ano de 2017 com êxito educativo para todos.

Revista CTS nº33

Acaba de ser lançado o último número (33) da Revista Ibero Americana de Ciencia, Tecnologia y Sociedad. Pode ser consultada e os artigos descarregados em: http://www.revistacts.net/volumen-11-numero-33

Conta, entre outros, com os seguintes artigos que destaco:

“Cinco Orientações para o Ensino das Ciências: a Dimensão CTS no Cruzamento da Didática e de Políticas Educativas Internacionais” | Alcina Mendes e Isabel P. Martins;

“Educação em Ciências e Matemática com Orientação CTS Promotora do Pensamento Crítico” | Celina Tenreiro-Vieira e Rui Marques Vieira;

“Práticas Integradas de Educação em Ciências: um Programa de Formação Contínua para Professores com Cariz CTS” | Ana V. Rodrigues e Patrícia João;

Boas leituras e comentários.

Captura de ecrã 2016-09-28, às 11.45.58

Reptos

Depois das férias e com o início de mais um ano letivo foi-me solicitado um artigo breve sobre a educação para o Diário de Aveiro. O tempo foi escasso e por isso retomei algumas das ideias que tenho vindo a defender para a Educação, nomeadamente em Portugal.

O mesmo foi publicado no dia 15 de setembro e também no site da Universidade de Aveiro (em: http://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?c=47628&lg=pt). Agradeço todos os comentários e partilhas, especialmente no Facebook (https://www.facebook.com/ruimv).

Mas desejo muito que o futuro comece já a ser pensado, discutido e preparado. Por isso sou dos que pensam que tal é possível com um pacto educativo.

Diversos(idades)

Neste artigo venho divulgar um conjunto diverso de iniciativas e informações:

JustinoMagalhães-1

Competências do Século XXI

Em um blog também focado no Pensamento Crítico venho desta vez salientar a importância deste tipo de pensamento e de outros como a Criatividade, como competências fundamentais para uma cidadania plena no século XXI.

Este facto tem sido destacado em diversos contextos, especialmente por empresas e organizações. São exemplos destas os vários sites que proliferam na rede web como os seguintes:

Captura de ecrã 2016-02-02, às 16.35.00

 

Frase da semana

A propósito dos exames, que no 4º e 6º anos foram entretanto substituídos pelo novo governo Português por provas de aferição, Ana Benavente escreve no público de 20 de janeiro de 2016  sob o título “Exames para que te quero” as frases seguintes que aqui se destacam :

“Para mim, a questão é simples: os exames são um mecanismo criado no interior do sistema que revela uma concepção de escola. Dum lado, a Educação para Todos com valorização do trabalho dos professores e procura de caminhos para assegurar aprendizagens exigentes face aos desafios do presente e do futuro e, do outro, a escola que conhecemos no passado, que exclui quem vem dos meios sociais mais pobres e das culturas “não eruditas”, uma escola de competição, de stress e de individualismo em que só a memória – auxiliar precioso – faz as vezes de inteligência” (p. 44).

FotoAnaBenavente

Livros e Mudanças

A diversidade de publicações  e de mudanças que têm ocorrido no campo da educação, que este governo e a assembleia da república têm avançado em Portugal, têm sido prolixas. Várias destas merecem alguns juízos de valor que irei encetar, de forma mais ponderada e reflexiva, nos próximos tempos.

Neste momento destaco os seguintes livros que estão disponíveis também nos sites que se incluem:

Das mudanças na política de educação que se avizinham assinalo aqui:

  • Fim dos exames do 4º ano;
  • Novo Modelos de graduação e colocação de Professores;
  • Exames de aferição, provavelmente para o 4º e 6ª anos;
  • Possível prova ou exame de literacia Científica no ensino básico, como hoje defendeu o Presidente do CNE;
  • Mais que provável suspensão das Metas Curriculares, desde já no 1.º Ciclo.

Boas leituras e que as decisões políticas desta vez sejam mesmo sustentadas na investigação que se vai realizando na educação!