PC e Colaboração

O EDULOG, da Fundação Belmiro de Azevedo, tem hoje a seguinte notícia que reproduzo para divulgação e comentários:

“Colaboração e pensamento crítico são mais importantes no século XXI do que as fórmulas matemáticas”, é o que diz Jennifer Groff, investigadora no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) nos Estados Unidos, onde trabalha no desenvolvimento de jogos para uso na sala de aula, e considerada uma das 100 pessoas mais influentes na área das tecnologias educativas pela revista Ed Tech Digest. Entrevistada pela BBC News, a investigadora explica porque há cada vez mais especialistas a defender o ensino baseado em competências.

Dois Novos Encontros Científicos

Vão docorrer em 2019 dois importantes encontros científicos que no âmbito deste espaço importa destacar:

  1. XVIII ENEC | III ISSE – https://enec2019.fc.up.pt/ que se realizará de 5 a 7 de setembro na cidade do Porto, Portugal; e
  2. IV Seminário Internacional de Pensamento Crítico na Educação – http://www.pensamiento-critico.com/noticias/iv-seminario-internacional-pensamiento-critico que se realizará de 21 a 25 de Outubro na Universidade Veracruzana, México.

Controvérsias na/da Ciência e sua História

Serve este para anunciar a publicação de mais um livro que é pertinente para todos os que se interessam pela educação numa perspetiva CTS:  “Controversias en la historia de la ciencia y cultura científica”.

O livro é da autoria de Antonio García Carmona e José Antonio Acevedo-Díaz  e, tal como está em: https://www.oei.es/historico/divulgacioncientifica/?Controversias-en-la-historia-de-la-ciencia-y-cultura-cientifica-PDF , procura contribuir para uma cultura científica adequada e mais holística numa perspetiva de cidadania. Tem também como propósito evidenciar que no avanço da Ciência existe “el conflicto como algo natural a la propia ciencia.  […] No menos relevantes son los escenarios de las controversias, unas veces íntimos y otras, públicos, pues también tienen un papel esencial en el desarrollo de estas”.

 

PC+EDS e Cidadania

Divulga-se, por força dos temas principais deste espaço,  um  livro que procura sintetizar um trabalho de 3 anos de investigadores da linha da Cátedra Ibérica CTS+I. Este livro coordenado por Isabel P. Martins (Universidade de Aveiro) e Mariano Martín Gordillo (Grupo ARGO) foi editado pela Catarata (ver https://www.catarata.org/libro/ciencia-cordial_82719/) e tem um capítulo em que participo:

CAPÍTULO 3. CIÊNCIA, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA ESCOLARIDADE BÁSICA: QUE POSSIBILIDADES? QUE REALIZAÇÕES?
Celina Tenreiro-Vieira e Rui Marques Vieira

Boa leitura e boas festas.

Livro eletrónico sobre Formação de Professores

Acaba de ser publicado o e-book “Formação inicial e continuada de professores de ciências: O que se pesquisa no Brasil, Portugal e Espanha”  organizado por  António Cachapuz, Alexandre Shigunov Neto e Ivan Fortunato. Da editorial Edições Hipótese é de livre acesso e gratuito (https://goo.gl/49c7Nu).

                           

Como escrevem os organizadores, os capítulos reunidos por formadores de professores conservam entre si a pluralidade de olhares e reflexões sobre a formação inicial e continuada de professores de ciências e emergiram da necessidade de se divulgarem experiências e compreender como ocorre esse processo de formação no Brasil, Portugal e Espanha.

Boas leituras.

Livro e Artigo

Nesta área destaca-se mais um livro e um artigo, respetivamente:

2 livros em 2018

De regresso antes das férias aqui fica a sugestão de dois livros publicados este ano de 2018:

Mais informações sobre estas duas publicações em:

Livro | Didática das Ciências para o Ensino Básico

Cadernos Didáticos | As Comunidades Online na Promoção do Pensamento Crítico em Didática das Ciências

“Porque melhoraram os resultados PISA em Portugal?”

O livro com o título deste post publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e que está disponível em: https://www.ffms.pt/FileDownload/342a960e-c01c-4309-8fa5-6e5a391204af/porque-melhoraram-os-resultados-pisa-em-portugal apresenta um estudo longitudinal e comparado dos resultados dos alunos entre 2000 e 2015 possui dados que merecem destaque e reflexão. Nesta publicação salienta-se transcrevendo:

  • Ao longo dos 15 anos do PISA “….os resultados médios de Portugal têm vindo consistentemente a melhorar nos três domínios considerados [Matemática, Leitura e Ciências], aproximando-se dos scores médios da OCDE” (p. 13).
  • “Além de ser uma medida ineficaz a resolver o insucesso dos alunos que repetem, como já foi identificado por vários autores, acresce esta ser uma medida que aumenta as desigualdades no sistema educativo, uma vez que a probabilidade de um aluno repetir o ano está fortemente associada ao seu estatuto socioeconómico e cultural, sendo os alunos de meios mais desfavorecidos os que têm maior probabilidade de chumbar” (p. 22).
  • “O nível de escolaridade dos pais está relacionado com melhores desempenhos dos alunos, mas apenas quando combinado com profissões mais qualificadas e mais bem remuneradas” (p. 27).
  • “Relativamente ao ambiente na sala de aula, cerca de 30% dos alunos respondentes ao questionário PISA consideram que há indisciplina e barulho na sala de aula, …”; mas também  “Portugal é o país onde consistentemente os alunos mais reconhecem o trabalho e disponibilidade dos professores” (p. 33).
  • “Relativamente às carências e à visão que têm da direção das escolas, os professores portugueses consideram que há falta de auxiliares de educação e que os diretores são líderes pouco inspiradores. No que se refere à cooperação entre colegas, verifica-se que a prática de cooperação menos comum é a observação de aulas lecionadas por outros professores” (p. 36).
  •  “Portugal foi o país que mais investiu no aumento do número de horas de ensino da Matemática. Esta tendência não se verificou nos restantes países europeus, onde a prática corrente foi manter o número de horas desta disciplina. Também no que respeita à quantidade de horas que os jovens passam a fazer trabalhos para a escola fora do horário escolar, os alunos portugueses despendem 14 horas por semana, em média, em trabalho escolar extra” (p. 41).
  • “Importa também referir que os diretores portugueses são os que menos se socorrem da investigação e conhecimento comprovado por outros nas suas práticas de gestão escolar. A cultura de olhar para a educação como uma ciência ainda não chegou às escolas” (p. 45).

Educação e Sustentabilidade

Rio de Janeiro, agosto de 2017

Serve este para divulgar:

  • O portal Educação em Exame que foi disponibilizado na semana passada em Portugal pela Fundação Francisco Manuel dos Santos em parceria com o Conselho Nacional de Educação e o Jornal Expresso e que pretende apresentar uma visão comparada e evolutiva sobre o sistema educativo em Portugal;
  • Um novo artigo publicado sobre as questões da Educação para a Sustentabilidade, neste caso no Ensino Superior, de título “Education for sustainable development: an exploratory study in a Portuguese University”, publicado no International Journal of Sustainability in Higher Education (ISSN: 1467-6370).
    Boas pesquisas e leituras.

Escola diferente?

De regresso de férias são vários os assuntos e informações que foram surgindo desde o final do ano letivo passado. Entre esses destaco os que me parecem mais relevantes e que considero irão ocupar a discussão em torno de questões educativas nos próximos tempos:

Bom ano letivo e boas reflexões!

Competências para o futuro

São vários os documentos e iniciativas recentes que têm vindo a destacar as competências para o futuro, entre os quais se salientam:

Salienta-se nestes a importância crescente e explícita ao pensamento crítico.  São boas notícias para impelir a que passe à ação!

InfoFuturoTrabalho

Site do III Seminário de Pensamento Crítico

 

Já está disponível o site (http://www.pensamiento-critico.com/IIIseminariointerPC/pt/) do III Seminário Internacional de Pensamento Crítico na Educação, que se realizará na Universidade de Caldas, na cidade de Manizales, Colômbia, de 11 a 13 outubro 2017.

Apela-se à participação, nomeadamente com a apresentação de comunicações orais,  posters e Workshops (http://www.pensamiento-critico.com/IIIseminariointerPC/pt/informacion-general) até 1 de junho (ver datas importantes em: http://www.pensamiento-critico.com/IIIseminariointerPC/pt/fechas-importantes).

 

Encontros Científicos

Divulga-se aqui e apela-se à participação em dois Encontros:

  • XVII ENEC 2017 | I SIEC: Educação em Ciências em múltiplos contextos, que se realiza nos dias 14, 15 e 16 de setembro de 2017 na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo . Estes será antecedido pela II Escola de Doutoramento ENEC mantendo os objetivos de criar um espaço para partilhar e discutir projetos de investigação em curso.  Poderá encontrar informação mais detalhada no site do encontro http://www.ipvc.pt/xviienec2017.

  • O outro que aqui se divulga é o II Encontro Nacional de Jovens Investigadores em Educação que se realizará na Universidade do Minho entre 2 e 3 de Junho: http://www.enjie.pt/# . A data limite para submissão de propostas é 6 de março (NORMAS DE SUBMISSÃO em: http://www.enjie.pt/docs/normas.pdf)