Valentina Piacentini, investigadora do CIDTFF e bolseira de doutoramento do Programa Doutoral em Educação (DEP), foi premiada pela qualidade científica, estrutura e organização da apresentação que fez no âmbito da sessão de “student pitches” de dia 29 de novembro, no Research Summit 2018.

O “pitch” da investigadora, intitulado “Educational Approach for learning Science together with English at Portuguese middle school”, teve lugar durante a II sessão de “student pitches” na Sala de Atos Académicos.

O prémio, para além do certificado de “best pitch” e da menção nos canais de informação/divulgação research@ua e news@ua, inclui 300 euros a ser utilizados no âmbito do Centro, para atingir os objetivos do projeto de doutoramento, e a versão pública do pitch será disponibilizada num evento especial da Escola Doutoral da Universidade de Aveiro (EDUA).

Por razões ligadas à diferença e peculiaridade da apresentação feita, aqui deixamos a mensagem da investigadora, que assim expressou a sua preparação e participação ao evento:

Foi em quatro minutos…que decidi, após de um pontapé da Diretora do Centro, de participar com um “pitch” numa das sessões do Research Summit 2018…quase um dia para outro!! Quatro minutos de decisão…e quatro de apresentação. É isto o tempo pretendido para um “pitch”. Mas o que é um “pitch”?!? Confesso que a minha ideia era muito vaga, assim como a de colegas mais próximos. A associação ao mundo empresarial não me convencia de maneira nenhuma…por isso, tomei-o como um “momento de libertação dos vínculos académicos”: assim, pensei numa certa teatralidade na comunicação de aspetos salientes da investigação…e foi!! Quando assisti aos pitches de outros estudantes de doutoramento na minha sessão, senti-me “um peixe fora de água”, desconfortável em saber que não iria fazer uma “apresentação formal em quatro minutos” como todos os outros já tinham feito, sentia que estaria a divergir muito…mas fiz, embora com alguma timidez. Fiquei satisfeita?!? Poderia ter feito melhor, mas abrir a zona de desconforto também para os outros, colegas e público, valeu: fazer diferente, às vezes, faz a diferença quando queremos abrir “a nossa ciência” aos outros.

– – – – –

Valentina Piacentini desenvolve um projeto orientado pelos investigadores do CIDTFF Ana Raquel Simões e Rui Marques Vieira, com foco na diversidade de linguagens próprias da Didática das Ciências e trabalhadas no âmbito da abordagem “CLIL” (Content and Language Integrated Learning) no 3.º CEB numa escola do Distrito de Aveiro.