Dia Mundial do compositor – 15 de janeiro

Hoje, no Dia Mundial do Compositor, relembramos Frederico de Freitas e o seu espólio, doado à Universidade de Aveiro pela sua filha Elvira de Freitas.

Frederico de Freitas (1902-1980) foi das figuras mais mediáticas na área da música portuguesa durante o séc. XX. Para além de compositor, era também chefe de orquestra, musicólogo e pedagogo, articulista e crítico musical. No seu percurso profissional destacam-se vários cargos tais como: fundador da Sociedade Coral de Lisboa, professor no Centro de Estudos Gregorianos de Lisboa, crítico musical no jornal “Novidades”, diretor musical na Companhia de Bailados “Verde-Gaio”, maestro na Orquestra de Câmara e Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional e Orquestra Sinfónica do Conservatório de Música do Porto e sócio fundador (mais tarde Presidente da Assembleia Geral) da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses.

Como artista multifacetado abordou praticamente todos os géneros musicais desde a música religiosa e de ópera, ao teatro ligeiro e música de filmes, da música de Câmara concertante à canção para canto e piano. Do seu trabalho destacam-se “As Sete Palavras de Nossa Senhora”, “A Severa”, “Quinteto de Sopros”, “D. João e as Sombras”, “O Livro de Maria Frederica” entre muitos outros.

Frederico de Freitas viu o seu trabalho ser reconhecido com o Prémio Nacional de Composição (Carlos Seixas) em 1926 e o Prémio Domingos Bontempo em 1935.

Por todo este contributo à sociedade portuguesa e o seu grande mérito, o espólio do compositor Frederico de Freitas foi doado à Universidade de Aveiro (UA) em 2010 pela Dra. Elvira de Freitas (filha do compositor) e representa uma grande oportunidade para o desenvolvimento e investigação da área da música pelos docentes e investigadores da UA, assim como para investigadores e especialistas externos a esta universidade.

A importância deste património levou a Fundação Calouste Gulbenkian a conceder um financiamento à Universidade de Aveiro para o desenvolvimento de um projeto que incluiu a organização, tratamento técnico, cuidados de preservação e disponibilização deste espólio ao público.

O espólio é composto por:

› Partituras de Frederico de Freitas e de outros compositores (entre os quais Berta Alves de Sousa), entre editadas e não editadas;

› Correspondência recebida e expedida de caráter pessoal e profissional (cartas, postais de correio, postais ilustrados);

› Transcrições de campo de música popular portuguesa;

› Recortes de imprensa nacional e estrangeira;

› Fotografias;

› Revistas e jornais nacionais e estrangeiros (com artigos sobre o compositor e a sua música, artigos escritos pelo compositor e, de salientar, alguns artigos escritos pela própria esposa do compositor, Consuelo Varona);

› Programas de eventos musicais (sob a direção de Frederico de Freitas, outros apenas com as suas músicas);

› Notas pessoais e textos manuscritos (planos de organização de concertos, rascunhos de correspondência profissional).

É de salientar que o espólio tem sido muito consultado, quer por utilizadores internos como externos à Universidade de Aveiro (total de 25 utilizadores) com maior destaque aos alunos e professores do Departamento de Comunicação e Arte (DeCA-UA), cujos estudos e projetos são muito frequentes, entre os quais a apresentação na conferência internacional Europe of Nations, Universidade de Aveiro, 2011, com a publicação em ata do artigo “Eclecticism and portugalidade in the works of voice and piano of Frederico de Freitas“, pela Prof. Doutora Helena Marinho.

Esta entrada foi publicada em Elvira de Freitas, Espólio Frederico de Freitas, Frederico de Freitas. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *